Por volta da segunda metade do século XVIII, o Governo da Província fez diversas doações de terras devolutas, dentre as quais, em Piracicaba, as que recebeu o Major Fernandes, tronco da família Ferraz de Arruda Pinto. Para habitar e usar suas terras, o Major contratou serviços que foram pagos com lotes de terras. Núcleos familiares surgiram e com o crescimento destas famílias, as terras foram divididas, tendo início a Vila de Saltinho.

Por volta de 1880, com o fenômeno da imigração, famílias italianas vieram trabalhar nas lavouras cafeeiras de Piracicaba, onde mais tarde, compraram terras, diversificando as lavouras e iniciando o comércio e indústria. Saltinho foi elevado à categoria de Distrito pela Lei n 1886 de 08 de Dezembro de 1922, instalando em 05 de Abril de 1923. Por motivos políticos, em 13 de Dezembro de 1929 o Distrito foi anexado ao Município de Rio das Pedras, gerando revolta do povo, que lutou para sua volta a Piracicaba, o que aconteceu através do decreto Lei nº 9765 de 31/03/1948.

Era costume festejar-se a Santa Cruz (2 a 3 de Maio), festa Profana na qual, certa vez, foi morto um membro da tradicional família Custódio, erguendo-se no local onde acharam seu corpo uma capela de Santa Cruz. Em 1938, o Vigário recém empossado proibiu a Festa na Praça Matriz da Cidade. Os imigrantes, unidos aos antigos moradores, resolveram dotar a Vila de uma Igreja mais condizente com o desenvolvimento, sendo criada em 07 de Março de 1937 a Paróquia do Sagrado Coração de Jesus, instalada em 28 de Janeiro de 1938. Saltinho, que foi Distrito de Piracicaba, tornou-se Município através de plebiscito realizado no dia 19/05/1991 e promulgado pela Lei nº 7.664 de 30/12/1991.